Médico Formado pela USP

Saiba como tratar a depressão pós-parto

Logo após o parto, algumas mulheres experimentam um tipo de melancolia profunda, que permanece por várias semanas, impossibilitando-as de cumprirem com seus afazeres, podendo alterar o sono, apetite, memória e concentração. E isso pode até dificultar os cuidados adequados com o recém-chegado bebê.

Essa tristeza, somada à irritabilidade e sensação de desesperança, é chamada de depressão pós-parto.
Não estamos falando de transtornos passageiros de humor, que desaparecem entre 10 a 15 dias após o nascimento da criança. Mas sim de uma doença que incapacita a mulher e que só começou a ser levada a sério recentemente.
Entenda melhor como tratar a depressão pós-parto:

Por que isso acontece?

Dentre os motivos que desencadeiam uma depressão pós-parto podemos citar as profundas oscilações hormonais. O estrogênio e a progesterona atuam no sistema nervoso central. As bruscas mudanças desses hormônios ocorridas após o parto atuam nos neurônios de mulheres predispostas, podendo causar todo desânimo, prostração e síndrome depressiva.

Mas é importante salientar que esse é apenas um dos motivos, e que não existe uma causa única para a depressão pós-parto. Por exemplo, nos episódios de gravidez não planejada ou mesmo não desejada, os níveis de estresse durante a gestação podem ser maiores, o que contribui para o aparecimento do transtorno.

Vale a pena dizer ainda que as mulheres com históricos de depressão, não necessariamente relacionados ao parto, podem desenvolver o quadro devido ao riso de recaída. Mudanças no estilo de vida, dificuldades para amamentar, ansiedade pelo aumento da responsabilidade, falta de apoio ou questões financeiras complicadas podem também precipitar o quadro.

Como diagnosticar?

Não existem exames para diagnosticar esse quadro psiquiátrico. Observa-se a intensidade do que é sentido pela mulher, e a sua manifestação no decorrer do tempo, especialmente se inviabiliza as atividades do dia a dia. Os sintomas predominantemente, surgem apenas semanas depois do parto, diferentemente da eventual tristeza — considerada normal e que pode vir apenas alguns dias depois do nascimento.

Ainda que o diagnóstico seja algo delicado, se os sintomas forem tornando-se mais severos — e, sobretudo, continuarem cerca de um mês após o parto — a probabilidade de ser depressão pós-parto é bastante grande.

Alguns dos sintomas envolvem, além da tristeza e melancolia, excesso ou falta de sono, ganho ou perda de peso, cansaço, falta de energia ou fadiga, inquietação, sentimento forte de culpa,alimentação compulsiva, falta de concentração e de prazer, além de sintomas de ansiedade. Os casos mais graves podem desencadear pensamentos suicidas e até mesmo a psicose puerperal, na qual a paciente pode ser acometida por delírios e alucinações.

Se você apresenta algum destes sintomas, de forma intensa e por mais de duas semanas, é indicado buscar tratamento imediatamente.

Como tratar a depressão pós-parto?

Depressão não é sinônimo de fraqueza ou “frescura”, muito menos é motivo de vergonha. Sem o tratamento adequado, a depressão pós-parto pode tornar-se crônica ou se tornar uma condição ainda mais severa. Por isso, ainda que não tenha todos os sintomas, mas sinta qualquer incômodo, é indicado conversar com um médico psiquiatra.

Provavelmente a paciente precisará fazer uma criteriosa avaliação sobre os sintomas, o seu comportamento e ainda a respeito do histórico médico. É importante respondê-las com honestidade. Pode ser difícil lidar com as emoções; mas diante de qualquer dúvida, fique à vontade, não hesitar em questionar o médico também ajudará.

Podem ser utilizados antidepressivos no tratamento, como inibidores seletivos da recaptação de serotonina, combinados com o apoio psicológico. Devemos ter especial atenção com o processo de amamentação, que pode algumas vezes ser inviabilizado dependendo do tratamento medicamentoso ou da condição clínica. O pai do bebê e familiares também podem participar das sessões de psicoterapia. Isso costuma ajudar no tratamento.

A Estimulação Magnética Transcraniana também vem recebendo grande destaque, por ser altamente eficaz no tratamento dos sintomas depressivos, sem alterar o leite materno.

Algumas ações cotidianas podem facilitar o tratamento da depressão pós-parto, como, por exemplo, ter uma alimentação saudável, a prática de algum exercício físico e uma simples conversa com outras mães. O importante é buscar formas de sentir-me melhor e não ignorar os sintomas.

Você gostaria de tratar apropriadamente de uma ocasional depressão pós-parto? Entre em contato com o CINA Psiquiatria e consulte nossos especialistas.